Saia do túmulo!

A paz do Cristo Libertador, galera!

Passamos da Oitava de Páscoa e já começamos a perceber os frutos de ressurreição em nossa vida. Se isso não aconteceu ainda, há algum problema aí.

saiadotumulo

Ressuscitar é mais do que voltar a viver! Ressuscitar também pressupõe uma vida nova, cheia de novidades, cheia de Deus e da vivência de Sua vontade. Ressuscitar é também passar a ter uma vida gloriosa, para que os outros reconheçam em nós, apesar de nossas feridas, a vida!

Cristo Ressuscitou e muita gente não acreditou firmemente. Como eu disse num outro texto aqui do blog (clica aqui pra ver esse também), Maria foi a única que acreditou 100% na promessa da promessa da ressurreição. Os outros (Pedro, João, Tomé, Madalena, Discípulos de Emaús) tiveram medo, insegura, incertezas e por isso vacilaram ao ver o túmulo vazio ou ao ouvir o anúncio da ressurreição.

Na nossa vida acontece a mesma coisa, mas de um modo ainda pior: ressuscitamos com Cristo (por força e amor dEle), mas permanecemos no sepulcro porque não temos coragem, força, disposição, esperança e muitas outras coisas para nos desfazermos dos lençois que nos amarram e da pedra que fechava o sepulcro.

Não acreditar FIRMEMENTE na ressurreição nos leva à vida velha (não só de pecado, mas de atitudes antigas), como aconteceu com Pedro e outros discípulos que foram novamente pescar (o que fizeram sem sucesso). Por isso, não crer que você foi RESSUSCITADO não te deixa avançar até a glória, mas te paralisa no sepulcro e mesmo que o Senhor lhe fale ao pé do ouvido, você não o reconhecerá e achará que Ele é o jardineiro ou algum desinformado que anda pela cidade.

Realmente muitos de nós não temos as forças necessárias para sozinhos nos desamarrarmos e nem para rolarmos a pedra que nos prende à morte (desesperança, pecado, tristeza, luto), por isso é necessário deixarmos que outros nos ajudem.

Lembra que quando Lázaro foi ressuscitado, Cristo pediu que retirassem a pedra do túmulo? Então, deixe que também seus amigos, irmãos de caminhada, superiores, te ajudem a rolar essa pedra que é tão grande. Deixe que sua comunidade (família, pastoral, amigos, comunidade religiosa) te desamarre e ajude a ver o sol novamente…

Não seja como TOMÉ! Acredite sem ver! Acredite por AMOR! Acredite porque você nunca foi enganado por esse Deus-Amor! Acredite e aí sim você tocará tantos sinais, milagres e prodígios do Senhor.

Bora ressuscitar de uma vez por todas? Bora pedir a graça de termos a “fé de Maria” para sempre crermos na ressurreição?

Que Deus nos abençoe!

E parça, precisando, estamos aqui!

Ah! Preguei sobre esse tema no Grupo de Oração Aurora da Comunidade de Aliança Cristo Libertador. E lá preguei sobre esse tema e também testemunhei como fui ‘ressuscitado’. Quer assistir? É só clicar aí: http://bit.ly/PregacaoRessurreicao

Uma lista de AMIGOS!

Paz e fogo, galera! Bora falar de amizade? Sei que esse é um tema recorrente, mas ele tem mexido comigo nos últimos tempos. Quer dizer, nos últimos dias mesmo.

los-amigos-se-preocupan-por-ti.jpg

Tive que fazer uma atividade da formação vocacional da Comunidade da qual eu participo. Nessa atividade, uma das questões me pedia para listar meus amigos de dentro e de fora da Comunidade. Logo pensei: vai ser fácil. Fácil mesmo.

Ps: sempre vai parecer fácil listar os amigos que temos. Mas aí é necessário olhar através de outros óculos. No meu caso, através dos óculos do carisma da CACL, carisma esse que me exige VERDADE.

Voltando: Comecei a listar e vi que podia contar nos dedos das mãos e de um pé os amigos que tenho. E olhe lá! Mas esses que listei, estão na lista por ótimos motivos, dentre eles, a VERDADE. Percebi que amigos mesmo são aqueles que não se escandalizam com a VERDADE da minha vida e que não têm medo de me deixar tocar em suas VERDADES que nem sempre são tão bonitas, cheirosas, brilhantes… assim como as minhas também na maioria das vezes não são.

Ps 2: muita gente lê a passagem do Eclesiástico 6, 14-17 que diz que “quem achou um amigo, encontrou um tesouro”, imaginando que nas amizades encontrarão apenas pérolas, ouro, prata… mas se esquecem que o maior tesouro que há no outro é a sua VERDADE e disposição de amar.

Voltando: Escrevi, então, o nome de pouquíssimas pessoas: meus irmãos de ministério de música (dentre eles, dois irmãos de sangue: o Dede e a Nana, e minha cunhada Cíntia), dois amigos do serviço (Plus e Calango) e alguns amigos da Comunidade. Dentre esses, alguns que não tiveram medo de chegar, confiar a mim suas dores mais profundas e até seus pecados, acreditando que eu poderia ajudá-los de alguma forma, nem se fosse só ouvindo. E assim aconteceu! Aconteceu também comigo: pude e posso partilhar com eles as minhas dores, angústias, alegrias, tristezas, esperanças, sonhos… sei que estarão comigo independente da distância ou do tempo que passamos juntos.

Ps 3: Encontrei tesouros! Alguns malacabados, mas preciosíssimos, cheios de vida, cheios de verdade, cheios de coragem.

Encerrando: com alegria hoje olho pra essa lista e com certeza posso dizer: não errei em nenhum nome que ali coloquei! Foram e são presentes de Deus. Outros virão? Claro! Depende muito mais de mim do que deles. Depende da minha abertura, da minha humildade, da minha postura…

Pronto! Escrevi tudo isso pra te dizer: Não tenha medo de SER e TER amigos! Olhe pra Jesus: Ele tinha poucos amigos, mas foi por um deles que Ele chorou, se compadeceu, se entristeceu pela morte…

Deus abençoe!
Paz e Misericórdia!

Celibatário? Eu?

“Porque há eunucos que o são desde o ventre de suas mães, há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens e há eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor do Reino dos céus. Quem puder compreender, compreenda” (Mateus 19, 12)

Eu sou celibatário? Não e sim. Sim e não! hahaha

15085665_10211318552503530_3274122144577324872_n.jpgDesde criança nutro o desejo de ser inteiramente de Deus. Quando criança, porém, o desejo parecia maior. O fogo ardia mais. Hoje, talvez, por ser mais racional, tenha perdido um pouco desse fogo, mas não o desejo de ser de Deus e de Deus somente.

Mas como quero ser de Deus? Só dEle! Quero ser celibatário! Hoje sou vocacionado da Comunidade de Aliança Cristo Libertador (CACL), mas desde minha primeira experiência vocacional cresce em mim o desejo desce amor indiviso.

Você pode pensar: Robson, você é gordo e feio, assim é fácil. Ninguém te quer, tem que ser de Deus mesmo, Ele não rejeita nada e nem ninguém. Difícil é pra quem é bonito!

Puts! E não é que realmente já me disseram isso? Pois é! Já disseram!

 Mas se engana quem acha que isso interfere nas tentações, desejos… Não me faltou vontade. Muito menos oportunidade. Quem me conhece sabe muito bem do que estou falando.

15220069_10211328587234392_569734727126282744_n.jpgMas não é por isso que fiz essa opção. Apesar de não ser celibatário oficialmente pela Igreja, fiz essa escolha há muito tempo, como já relatei acima. Fiz a escolha de ser celibatário pela causa e por amor ao Reino de Deus.

Através dessa minha escolha pude experimentar muitas vezes o cuidado “exclusivo” de Deus: Ele dizendo claramente que estava comigo, que supria todas as minhas necessidades de carinho, de afeto, de amor… Que havia me escolhido e que me amava..

Também através do meu “SIM” a esse estado de vida, pude por diversas vezes experimentar a paternidade espiritual, cuidado de perto de tantos jovens que a mim confiaram suas vidas, histórias… Deus sempre me surpreendeu e nesse fim de semana não foi diferente.

Aqui no Vocacional da Cristo Libertador tivemos um trabalho em grupo sobre a vivência da castidade na vida de solteiro, namorados, casados e celibatários. E eu fiquei justamente no grupo que falaria sobre a castidade na vida de quem quer ser SÓ DE DEUS. Para realizar essa atividade tive que ouvir muitos testemunhos e ler várias coisas relacionadas ao assunto. A cada pessoa que falava mais me ardia ao coração… No fim da apresentação de hoje rezaram por mim e por mais dois irmãos que discernem para esse estado de vida. Ali eu pude ouvir Deus falando: não tenhas medo! Não vai te faltar nada!

Foi como um “meu filho, eu não desisti de você, não desista de mim“.

Agora, então, resta-me dizer: Eis-me aqui!

Deus te abençoe, meu irmão e minha irmã que lê esse texto!

Tamu Juntu!