Não tenha medo da sua verdade!

Paz e Fogo, galera! Seguinte, bora falar de um assunto não tão agradável? Sabe que assunto é esse? Você!

Isso mesmo. Falar de nós mesmos é sempre desagradável quando falamos da nossa verdade, daquilo que está no íntimo, daquilo que talvez nem o seu melhor amigo saiba, mas que o Deus escondido sabe perfeitamente.

Gosto muito da passagem do encontro de Jesus com a Samaritana (cf. João 4, 5-42) e do modo como o Senhor a conduz até a verdade que liberta e salva.

jesus151.jpg

Jesus, além de se apresentar como Caminho, Verdade e Vida, faz com que a mulher se encontre consigo mesma e assim enxergue que em sua verdade não há liberdade, nem amor, nem cuidado, mas apenas solidão.

Tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu. Nisto disseste a verdade”, diz Jesus no versículo 18, ao pedir que a mulher chamasse seu esposo e escutar a negativa da mesma. De forma “atual”, podemos dizer que Jesus pediu a ela: “vai lá, chama tua verdade e vem aqui”, como canta o Juninho Cassimiro.

Ela teve coragem de rasgar o coração e ali apresentar ao Senhor sua miséria e ainda pedir: “dá-me desta água!”. Mesmo quando estamos “no fundo do poço”, há solução! Basta deixar que Jesus, a Verdade encarnada se sente há beira do poço para te ouvir, para te amar e para trazer à tona sua podridão, sua sujeira, seu pecado… por mais que doa, Jesus é o único que “não liga” para o cheiro terrível que pode vir disso tudo, pelo contrário, Ele toca cada realidade a fim de purificar, amar, cuidar, sarar…

Principalmente nós que estamos no “pelotão de frente” como ministros de música, pregadores, formadores, ministros de dança, catequistas, dentre outros ministérios, corremos o risco de criarmos personagens e assim assumirmos histórias que não são nossas, apesar de participarmos delas..

Quantas pessoas têm uma máscara para cada ocasião: um personagem na comunidade, um personagem no Grupo de Oração, outro no trabalho, outro em casa… e até outro diante do Senhor.

PASSAMOS por tantas situações de pecado, por tantas tristezas e desilusões, por tantas estradas tortuosas… mas o problema mesmo é quando paramos nisso e fazemos dessas situações a nossa verdade. Até essa “verdade que tomamos como nossa” precisamos apresentar ao Senhor.

tirando-mascara.jpg

É na verdade que Ele age. É na verdade que Ele nos cura. É na verdade (por pior que esta seja) que o milagre acontece.

Imagine você no consultório médico. O doutor te pergunta: o que você está sentindo? E você responde: “dor de cabeça”, sendo que na verdade você está com algum problema intestinal. Você acha que mentindo assim você terá será medicado de forma correta? Você acha que será curado? Acha que algo será eficaz?

Apenas agindo na verdade podemos ser curados inteiramente!

Muitas vezes nossa VERDADE nos causa vergonha. Mas fazer o que, não é? Não tivemos vergonha de “cometer” essa verdade, porque teremos, então, vergonha de apresenta-la ao Senhor e aos que estão mais próximos de nós e que merecem saber da verdade?

Pense nisso! Eu estou passando por esse processo e te convido a caminhar comigo por este caminho as vezes tão duro, mas que nos leva ao poço onde beberemos da água que sacia e dá vida.

Bora rezar com música?

 

Deus te abençoe!
Vamos juntos?

Robson Landim
instagram.com/robsonpaes1

O Todo Poderoso fez em mim maravilhas!

A paz de Jesus e o amor de Maria Santíssima estejam conosco! Estamos em pleno Ano Mariano Nacional e nele somos convidados de forma ainda mais especial a imitarmos as virtudes da Mãe de Deus, virtudes essas que ficam muito claras nas pouquíssimas vezes em que ela é citada nas Sagradas Escrituras.

10984596_10208073070328504_998769040167873031_n.jpgA Virgem Maria é cheia de qualidades: serva, obediente, serena, humilde, misericordiosa, mãe atenciosa, intercessora fiel, onipotência suplicante, dentre muitas outras.

Sua vida em nós gera vida e nos faz olharmos de forma mais atenciosa e segura para o Cristo que nos ama e nos chama à missão.

No Canto do Magnificat (Cf. Lucas 1, 46ss), fica claro, por exemplo, o quanto Maria era conhecedora da Palavra de Deus. Ao engrandecer o Deus Santo que nela fez grandes coisas, Maria faz memória de algumas outras passagens do antigo testamento. Nela se cumpria naquele momento sublime o que os profetas e ela mesma esperavam há tanto tempo.

O Poderoso que fez e continua fazendo maravilhas olhou justamente para uma das mais bonitas virtudes de Sua serva: a humildade! Cheia da graça de Deus, Maria nunca se vangloriou de sua “posição”. Sendo Mãe do Senhor e tendo “o Rei na barriga”, colocou-se desde sempre à serviço para que outros tivessem vida e vida em abundância.

Que Maria nos ajude e nos eduque para a santidade!

Robson Landim
youtube.com/vlogrevolucionario

Escrito originalmente para o informativo
da Paróquia Nossa Senhora da Candelária
na cidade de São Caetano/SP

 

Celibatário? Eu?

“Porque há eunucos que o são desde o ventre de suas mães, há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens e há eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor do Reino dos céus. Quem puder compreender, compreenda” (Mateus 19, 12)

Eu sou celibatário? Não e sim. Sim e não! hahaha

15085665_10211318552503530_3274122144577324872_n.jpgDesde criança nutro o desejo de ser inteiramente de Deus. Quando criança, porém, o desejo parecia maior. O fogo ardia mais. Hoje, talvez, por ser mais racional, tenha perdido um pouco desse fogo, mas não o desejo de ser de Deus e de Deus somente.

Mas como quero ser de Deus? Só dEle! Quero ser celibatário! Hoje sou vocacionado da Comunidade de Aliança Cristo Libertador (CACL), mas desde minha primeira experiência vocacional cresce em mim o desejo desce amor indiviso.

Você pode pensar: Robson, você é gordo e feio, assim é fácil. Ninguém te quer, tem que ser de Deus mesmo, Ele não rejeita nada e nem ninguém. Difícil é pra quem é bonito!

Puts! E não é que realmente já me disseram isso? Pois é! Já disseram!

 Mas se engana quem acha que isso interfere nas tentações, desejos… Não me faltou vontade. Muito menos oportunidade. Quem me conhece sabe muito bem do que estou falando.

15220069_10211328587234392_569734727126282744_n.jpgMas não é por isso que fiz essa opção. Apesar de não ser celibatário oficialmente pela Igreja, fiz essa escolha há muito tempo, como já relatei acima. Fiz a escolha de ser celibatário pela causa e por amor ao Reino de Deus.

Através dessa minha escolha pude experimentar muitas vezes o cuidado “exclusivo” de Deus: Ele dizendo claramente que estava comigo, que supria todas as minhas necessidades de carinho, de afeto, de amor… Que havia me escolhido e que me amava..

Também através do meu “SIM” a esse estado de vida, pude por diversas vezes experimentar a paternidade espiritual, cuidado de perto de tantos jovens que a mim confiaram suas vidas, histórias… Deus sempre me surpreendeu e nesse fim de semana não foi diferente.

Aqui no Vocacional da Cristo Libertador tivemos um trabalho em grupo sobre a vivência da castidade na vida de solteiro, namorados, casados e celibatários. E eu fiquei justamente no grupo que falaria sobre a castidade na vida de quem quer ser SÓ DE DEUS. Para realizar essa atividade tive que ouvir muitos testemunhos e ler várias coisas relacionadas ao assunto. A cada pessoa que falava mais me ardia ao coração… No fim da apresentação de hoje rezaram por mim e por mais dois irmãos que discernem para esse estado de vida. Ali eu pude ouvir Deus falando: não tenhas medo! Não vai te faltar nada!

Foi como um “meu filho, eu não desisti de você, não desista de mim“.

Agora, então, resta-me dizer: Eis-me aqui!

Deus te abençoe, meu irmão e minha irmã que lê esse texto!

Tamu Juntu!