#GeraçãoACORDI| Eu vi nascer uma nova geração!

Tudo ao meu redor era escuro e vazio,
Perdido eu estava e nada tinha mais sentido,
Longe eu procurei, outros amores eu busquei,
Busquei fora Aquilo que estava dentro de mim.
Conhecia o Amor somente em palavras,
Ele veio até mim e tudo mudou…
A alegria brotou, a tristeza se foi,
Tudo mudou, Te conheci, Senhor!
(Música: Lilian Blanda, Kayque, Kamila Maria, Gisllane)

artistas-da-misericordia-8Nesse novo ano, vamos falar muito sobre essa nova geração que tem agitado não só a juventude, mas todo o Movimento Aliança de Misericórdia, a Geração Acordi.

Acordi musical, Acordi como convocação, Acordi como missão de filhos amados de um Pai que nos criou para a liberdade!

Trabalhando na Aliança tenho a oportunidade de participar de momentos significativos do Movimento. Um desses foi o Congresso do Movimento Jovem de 2016. As pregações, a musicalidade, a empolgação da galera, os fortes momentos de oração, a conexão com a temática da Jornada Mundial da Juventude, dentre tantas outras coisas. Tudo dizia: esse encontro vai marcar muitas vidas!

Mas chegou a hora dos shows. Sábado à noite e o suspense: o que vem por aí? O cenário foi sendo montado: uma cama, uma gaiola, relógios… Logo pensei: vem por aí mais um teatro!

artistas-da-misericordia-7

Logo no início me arrependi desse pensamento! A cada canção, a cada fala, a cada dança o meu coração ia se enchendo de esperança, de alegria, de desejo de mudança, de desejo de liberdade. Era a Geração Acordi, nascida com os missionários na Casa de Formação Imaculada do Espírito Santo (IES), que agora atingia a mim e a outros tantos jovens.

Eu já tenho mais de 15 anos de caminhada, mas naquele momento eu ouvia o Senhor me dizendo: vamos recomeçar! Tudo precisa ser novo! Eu te chamo, a junto dessa nova geração, a se levantar como meu FILHO, nessa FAMÍLIA unida pela graça do batismo e assim, como PROFETA, despertar o meu povo para um novo tempo.

Chorei! Me arrepiei! Me uni àquela galera e disse para mim mesmo e me comprometi com o Senhor: SOU GERAÇÃO ACORDI!

Ainda naquele dia, após o musical, pude entrevistar a galera do Ministério Acordi (você pode conferir a entrevista no youtube.com/aliancamisericordia) e eles deixaram muito claro: a Geração Acordi é muito mais do que um grupo musical: “é a expressão de um novo modo de ser e de viver à luz da experiência do amor do Pai” e isso é um chamamento para todos nós, sem exceção!

Para vivermos de forma eficaz essa Missão, a Geração Acordi tem três pilares/dimensões:

  1. Identidade (ser filho): cada pessoa é um “acorde”, uma nota musical preciosa, única, insubstituível, da linda canção de amor composta pelo Pai ao criar este mundo. Descobrir a própria identidade é o fundamento para realização plena da vida: Somos filhos amados do Pai! (cf. 1 Jo 3,1)
  2. Relação (ser família): a descoberta da filiação revela a beleza da fraternidade, somos todos irmãos, filhos do mesmo Pai, formamos uma nova família no amor, chamados a viver “acordes num mesmo sentimento” (cf. Fl 2,2). As diferenças, divisões, discórdias são superadas dando lugar ao “Reino de Deus”, relações onde prevalece o respeito, diálogo, harmonia e justiça (cf. Rm 14,17).
  3. Anúncio (ser profeta): é o transbordar da experiência! Não é possível guardar para si tamanha alegria de ser amado e amar, de viver novas relações fundadas na bondade e ternura. Isto é o essencial que as pessoas mais anseiam e procuram mesmo sem saber. Por isso, a Geração Acordi quer “acordar” esta sociedade entorpecida pelo “príncipe deste mundo” (cf. Jo 12,31), desorientada e amedrontada, profetizando com ousadia que somente na acolhida confiante do amor misericordioso do Pai se encontra a força capaz de transformar a realidade.

E aí, vai colocar o despertador no “modo soneca” ou vai acordar de uma vez por todas? Deus quer contar com cada um de nós para despertar o mundo para o Amor e para a Verdade. Podemos contar com você?

Use #SouGeraçãoAcordi nas Redes Sociais e nos conte suas experiências com essa missão!

Robson Landim
Colaborador Aliança de Misericórdia

Texto escrito originalmente para a revista Aliança de Misericórdia
Fev/Mar de 2017

São João Bosco, um dom para a Igreja

No dia 31 de janeiro de 1988 Dom Bosco foi proclamado pelo Papa São João Paulo II como Pai e Mestre da Juventude. Justamente nesse dia, os salesianos lembravam os 100 anos da Páscoa Eterna de seu santo fundador.

DomBosco

Pobre, Joãozinho Bosco não sabia o que fazer para falar de Deus aos seus amigos. Numa determinada noite, sonhou com vários meninos que em dado momento começaram a brigar e blasfemar. Joãozinho muito bravo e querendo parar com aquilo, foi aos socos até seus amigos.

Em meio às pancadas, Jesus aparece para João Bosco e lhe diz: “Não será com pancadas que transformarás esses jovens em amigos. Trata-os com bondade! Mostra-lhes quão bela é a virtude e quão desprezível é o vício”.

Mas por conta da ignorância, Bosco se sentia incapaz de realizar essa missão. Jesus, então, lhe aponta Maria como mestra para essa missão tão desafiadora. E ela, a Virgem Auxiliadora lhe diz: “Eis tua missão: procura conduzir esses jovens ao bom caminho. Leva-os a Deus! Tudo compreenderás. Torna-te humilde, forte e corajoso”. Esse episódio foi um ponta-pé para a missão que João Bosco desempenharia por toda a sua vida e até hoje através de seus filhos e filhas dos mais diversos ramos da Família Salesiana por ele fundada.

Mágica, acrobacia, música, histórias… João Bosco usava de tudo para entreter “santamente” os seus amigos e como “pagamento” por suas pequenas apresentações sempre pedia para que rezassem e meditassem o evangelho ou alguma leitura espiritual.

Para evangelizar os jovens, Dom Bosco primeiro dava o que eles queriam e depois lhes apresentava grandes amigos para a vida toda: Jesus, Maria e também os anjos da guarda.

Sendo uma graça para toda a Igreja Católica, dele podemos aprender muitas coisas. Numa carta dirigida aos jovens, Dom Bosco diz o seguinte:

O demônio tem normalmente duas artimanhas principais para afastar da virtude os jovens. A primeira artinha consiste em persuadi-los de que o serviço de Deus exige uma vida triste, sem nenhum divertimento ou prazer. Mas isto não é verdade, meus caros jovens. Eu vou lhes indicar um plano de vida cristã que poderá mantê-los alegres e contentes, fazendo-os conhecer quais são os verdadeiros divertimentos e prazeres para que vocês possam exclamar como o santo profeta Davi: ‘Sirvamos ao Senhor na santa alegria’. A segunda artimanha do demônio consiste em fazê-los conceber a falsa esperança de uma longa vida que permite converter-se na velhice ou na hora da morte. Prestem atenção, meus caros jovens, muitos se deixaram prender por esta mentira. Quem nos garante que chegaremos à velhice? […] E mesmo se Deus lhes concedesse uma longa vida, escutai, entretanto, sua advertência: ‘o caminho do homem começa na juventude, ele o segue na velhice até a morte’. Ou seja, se jovens começamos uma vida exemplar, seremos exemplares na idade adulta, nossa morte será santa e nos fará entrar na felicidade eterna”.

Que tal colocar em prática os conselhos do Pai e Mestre dos jovens e desde a tenra idade ser exemplo para os outros?

Dom Bosco, rogai por nós!

Texto escrito por mim e publicado originalmente na
Revista Aliança de Misericórdia de Julho/2016