Quem pode ser santo? #Youcat

PodeSerSanto

As vezes a #santidade parece algo tão distante, não é? Se nós olhamos para alguns santos, então, aí que a situação piora, não é verdade?

São Francisco? Santa Teresinha do Menino Jesus? São João Paulo II?

Eita! A coisa ficou séria para o nosso lado! Será que um dia conseguiremos? Será que a #santidade realmente é pra todo mundo? Esses são alguns questionamentos que vão surgindo ao longo do nosso caminho de fé, principalmente se somos jovens assíduos na vida da Igreja.

Todos queremos ser santos! Mas, ser santo, é na verdade um “sonho” até mesmo inconsciente do nosso coração que podemos traduzir por: saudade do Céu! Saudade de Deus! Saudade do Eterno!

A #santidade é pra todos nós! É nossa primeira vocação! É o chamado de TODOS OS FILHOS DE DEUS.

Viemos do coração de Deus e para Ele devemos voltar. Mas isso só acontecerá se formos santos. Vale a pena ver o que o Youcat nos fala sobre isso:

“Só na Santidade o ser humano se torna aquilo para que Deus o criou. Só na santidade o ser humano chega à verdadeira harmonia consigo mesmo e com o Criador. A Santidade não é, todavia, uma perfeição de ‘fabricação caseira’; ela atinge-se por união com o Amor encarnado, que é Cristo. Quem, deste modo, atinge uma vida nova, torna-se e descobre-se santo” (Youcat 342) 

Nesse pequeno vídeo também falo um pouco sobre esse nosso desejo e questionamento. Clica aê: 

Deus te abençoe!
Paz e Misericórdia!

Anúncios

O que aconteceu em Pentecostes? O @CatecismoJovem nos responde!

venicreator

Cinquenta dias após a Ressurreição, o Senhor enviou do Céu o Espírito Santo sobre os Seus discípulos. Começou, então, o tempo da Igreja. [731-733]

No dia de Pentecostes, o Espírito Santo fez, de medrosos Apóstolos, corajosas testemunhas de Cristo. Num curtíssimo espaço de tempo fizeram-se batizar milhares de pessoas. Era o nascimento da Igreja! O milagre pentecostal das línguas revela que a Igreja, desde o princípio, está aberta a todos, é “universal” (palavra latina que traduz o termo “católico”, de origem grega) e, por conseguinte, missionária. Ela dirige-se a todas as pessoas, supera fronteiras étnicas e linguísticas, e pode ser entendida por todos. Até hoje, o Espírito Santo tem sido o “elixir vital” da Igreja.

E o Papa Francisco nos ajuda a pedir o auxílio do Paráclito Prometido:

Peçamos ao Espírito Santo a graça de realizarmos as opções concretas na nossa vida de acordo com a lógica de Jesus e do seu Evangelho (Tweet do dia 15 de Maio de 2014 – @pontifex_pt)

Peçamos a graça do Espírito:

Formação| O que a Igreja ensina sobre a pena de morte?

Paz e Fogo, juventude!

O assunto pena de morte veio à tona agora no começo do ano com a execução do brasileiro Marco Archer na Indonésia. O fuzilamento aconteceu neste domingo, 18, pelo crime de tráfico de drogas. O governo brasileiro pediu clemência e até a ajuda do Papa Francisco para que a pena não fosse aplicada.

pena-de-morte

Mas o que a Igreja ensina sobre Pena de Morte? Abaixo trago a citação de vários documentos da Igreja sobre a pena de morte e também uma passagem bíblica. As informações são da fanpage Dom Antônio de Castro Mayer.

O Youcat na pergunta 381 responde a pergunta: Por que motivo a Igreja é contra a pena de Morte? A resposta é a seguinte:

A Igreja empenha-se contra a pena de morte porque ela é tão cruel como desnecessária (João Paulo II, St. Louis, 27.01.1999). [2266-2267]

Cada Estado de direito tem o direito de castigar adequadamente. Na Encíclica Evangelium vitae(1995), o Papa João Paulo II não afirma que a pena de morte é uma pena inaceitável ou injusta. Tirar a vida a um criminoso é uma medida extrema, a que um Estado só deve recorrer em casos de absoluta necessidade. A necessidade justifica-se quando a sociedade humana não se pode defender sem a execução do culpado. Todavia, estes casos, diz João Paulo II, são já muito raros, se não mesmo praticamente inexistentes (ibidem, n*56).

São Tomás de Aquino
“Existe o pecado pelo qual merecem não só serem separados da Igreja pela excomunhão, mas também serem retirados do mundo pela morte.” (São Tomás de Aquino. Summa Theologica. II.Q.XI)

Catecismo Maior de São Pio X
“É lícito tirar a vida do próximo: durante o combate em guerra justa; quando se executa por ordem da autoridade suprema a condenação à morte em castigo de algum crime; e finalmente quando se trata de necessária e legítima defesa da vida, no momento de uma injusta agressão.” nº 413

Novo Catecismo da Igreja Católica
“O ensino tradicional da Igreja não exclui, depois de comprovadas cabalmente a identidade e a responsabilidade do culpado, o recurso à pena de morte, se essa for a única via praticável para defender eficazmente a vida humana contra o agressor injusto.”(2267)

Sagrada Escritura:
“Paulo, porém, disse: Estou diante do Tribunal de César, é lá que devo ser julgado; nenhum mal fiz aos Judeus, como tu sabes muito bem. E, se lhes fiz algum mal ou coisa digna de morte, não recuso morrer…” (Atos XXV, 10-11). Referindo-se à autoridade terrestre, o Apóstolo Paulo diz que: “Não sem razão leva a espada, é ministro de Deus, punidor irado de quem faz o mal” (Rm 13,4).

Bom, a Igreja é e sempre será à favor da vida e da dignidade. O Marco, assim como todos os seres humanos, tem direito a viver, mas não é nenhum herói como o governo tem mostrado. Nós, como cristãos, rezamos por sua alma e pelo consolo de sua família.

Paz e Bem!