Maria e a Comunhão com Deus

“Nela não tem alguma oposição entre Deus e o seu ser: tem plena comunhão, plena concordância. Tem um “sim” recíproco, entre Deus e ela e ela e Deus. Maria é livre do pecado porque é toda de Deus, totalmente esvaziada por Ele. É cheia de sua Graça, do seu Amor” (Papa Emérito Bento XVI – 08/12/12)

Paz e Fogo!

Estamos no mês de abril, onde celebramos logo em seu primeiro dia, a festa mais importante de nossa Igreja: a Páscoa da Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. Diferente do que o dia sugere (dia da “mentira), verdadeiramente Cristo ressuscitou e disso vemos frutos até hoje e veremos pelos séculos dos séculos sem fim. Amém! Aleluia! Shandaray!

Mas o que Maria tem a ver com isso? Tudo!

O parágrafo que abre esse texto é tirado do Angelus do Papa Emérito Bento XVI por ocasião da Solenidade da Imaculada Conceição. Nele claramente vemos a figura de Maria como aquela que, espelhando-se em seu Filho, também abriu mão de si mesma e de seus planos, para viver configurada aos planos de Deus.

Vemos no mistério da cruz, a plena comunhão que há entre a Santíssima Trindade: o Espírito leva Jesus ao deserto, Jesus vence o deserto e morre na Cruz por nossos pecado e o Pai ressuscita o Cristo, exaltando-O sobre tudo e todos.

E Maria?

Olha ela ali do meu lado!

Maria também tem e está em plena comunhão com a Santíssima Trindade. Cheia de Deus, Maria deixou-se guiar também pelo deserto, onde precisou com José proteger o Menino que corria risco de vida; Maria caminhou piedosamente o caminho do Calvário seguindo Jesus, consolando-O e consolando os seus agora ‘filhos’ na fé; Maria esperançosa não vai ao túmulo, mas acredita piamente na vitória de Jesus sobre à morte; por fim, Maria participa da expansão da Igreja ao ser tomada pelo Espírito que nela já habitava, mas agora junto aos discípulos no Cenáculo.

Que Maria nos ajude e nos ensine a sermos UM com o Deus que nos ama, chama e envia!

Deus te abençoe! Salve Maria!

Ah! Vale a pena assistir:

Robson Landim
Comunidade de Aliança Cristo Libertador

Anúncios

Uma #playlist especial para o #MêsDeMaria

Playlist.png

Manifestou o poder do Seu braço,
Desconcertou os corações dos soberbos,
Derrubou do trono os poderosos
E exaltou os humildes…

Estamos num mês mais do que propício para cantarmos com Maria as mais bonitas canções ao Senhor que grandes coisas fez em nosso favor, né não? Ela é. talvez, a melhor cantora das Sagradas Escrituras, ou ao menos do Novo Testamento… rs

Nem todo mundo é um primor de afinação (desculpe, mas é verdade), então, precisamos pedir o auxílio dos irmãos que já cantam pra juntos rezarmos à Maria, pedindo sua proteção e agradecendo por tanto amor.

Sendo assim, fiz uma #Playlist top lá no Spotify só com MÚSICAS MARIANAS pra você curtir esse mês e até quando quiser (ou o Spotify existir). É só dar o #play aí embaixo e rezar com Salette Ferreira, Juliana de Paula, Colo de Deus, Vida Reluz e muuuuuuuito mais! Tá TOP, viu?

Ah! Aproveita pra divulgar esse post!

Por que chamamos a Virgem Maria de Nossa Senhora?

A Virgem Maria sempre foi chamada de Nossa Senhora

O título de Senhor e Senhora, desde os primeiros séculos do Cristianismo, eram usados para os senhores de escravos, muito comum naquele tempo. Dentro desse contexto, a Virgem Maria disse ao anjo: “Eis aqui a escrava do Senhor” (Lc 1, 38).

anomariano

Mas “Jesus é o Senhor”, como disse São Paulo (Fl 2,11); é o Rei dos Reis; e Sua Mãe é Rainha por consequência. Por isso, a Igreja entendeu que deveria chama-lá de Senhora. Os súditos do Rei eram também servos da Rainha. Ora, se somos súditos de Jesus, o somos também de Maria. A Ladainha Lauretana chama a Virgem Maria de Rainha dos Anjos, Rainha dos Santos, Rainha dos Apóstolos, Rainha dos Mártires, Rainha dos Confessores, Rainha das Virgens, Rainha dos Profetas. Ora, toda Rainha é Senhora em seu reino.

Agradável a Deus, aos anjos e aos homens

lourdes_papa

A Virgem Maria é aquela “cheia do Espírito Santo”, como a saudou sua prima Santa Isabel, que em alta voz disse: “Bendita és tu entre as mulheres” (Lc 1,42). Ela é “a filha predileta de Deus”, diz o Concílio Vaticano II (LG n. 53), “aquela que, na Santa Igreja, ocupa o lugar mais alto depois de Cristo e o mais perto de nós” (Lumen Gentium, n. 54).

São Bernardo, doutor da Igreja, o apaixonado cantor da Virgem Maria, no Sermão 47 diz: “Ave Maria, cheia de graça, porque é agradável a Deus, aos anjos e aos homens. Aos homens, por causa de sua fecundidade; aos anjos, por sua virgindade; a Deus por sua humildade. Ela mesma atesta que Deus olhou para ela porque viu sua humildade”.

São Tomas de Aquino afirmou: “A bem-aventurada Virgem Maria, pelo fato de ser Mãe de Deus, tem uma espécie de dignidade infinita por causa do bem infinito que é Deus”. Ela é Senhora!

“A graça que adornou a Santíssima Virgem sobrepujou não só a de cada um em particular, mas a de todos os santos reunidos”, afirma Santo Afonso de Ligório, doutor da Igreja. Por isso ela cantou no Magnificat: “Desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações, porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo…” (Lc 1,42). Ela é Senhora!

Exemplo de todas as virtudes

Maria é um “espelho especialíssimo de Deus”, diz São Tomás de Aquino: “Os outros santos são exemplos de virtudes particulares: um foi humilde, outro casto, outro misericordioso, e assim nos são oferecidos como exemplos de uma virtude. Mas a bem-aventurada Virgem é exemplo de todas as virtudes”, diz o santo.

São Bernardo e Santo Antônio, doutores da Igreja, afirmam que, “para ser eleita e destinada à dignidade de Mãe de Deus, devia a Santíssima Virgem possuir uma perfeição tão grande e consumada que nela excedesse todas as outras criaturas”. Ela é Nossa Senhora!

“Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado” (Mt 23,12). Repetiu várias vezes o Senhor. Logo que Deus determinou fazer-se Homem para redimir o homem decaído e assim manifestar ao mundo Sua misericórdia infinita, certamente buscava entre todas as mulheres aquela que fosse a mais santa e humilde para ser Sua Mãe. Como diz o Livro dos Cânticos: “Há um sem número de virgens (a meu serviço), mas uma só é a minha pomba, a minha eleita” (Ct 6, 8-9).

Foi por sua imensa humildade que Deus tanto exaltou Maria e a fez Sua Mãe, Rainha e Senhora nossa. E a própria Virgem diz no seu canto: “porque olhou para a humildade de sua serva” (Lc 1,48).

Foi essa “humildade” profunda e real que tanto encantou o coração de Deus, fez com que a elegesse a “bendita entre as mulheres”, Sua Mãe, nossa Mãe e Senhora.

Professor Felipe Aquino
Fonte: http://formacao.cancaonova.com/nossa-senhora/devocao-nossa-senhora/por-que-chamamos-a-virgem-maria-de-nossa-senhora/