Foi ela quem tudo fez!

FoiElaQuemTudoFez

A paz do Cristo que liberta, querido leitor!

Sou muito devoto de São João Bosco, santo patrono dos jovens a qual celebraremos ontem, 31 de janeiro.

Dom Bosco era um grande devoto da Virgem Maria. Inclusive, sonhou com ela diversas vezes. O mais significativo aconteceu aos nove anos, quando Maria lhe disse sobre sua missão: “a seu tempo tudo compreenderás!”.

Maria é aquela que nos acompanha em todos os momentos da vida. Por si só, ela não tem a graça da onipotência, onisciência e onipresença, características que apenas Deus tem. Mas ela participa da graça do Seu Filho. Sendo assim, nos acompanha e não nos desampara. Dom Bosco ainda diz: “Quem confia em Maria jamais será iludido”.

Ela realmente é aquela Mãe que não ilude, mas educa, forma, ama, cuida conforme o coração de Deus, moldando-nos na forma onde Seu próprio Filho foi moldado.

Caminho

 

“Foi ela quem tudo fez”, disse São João Bosco sobre o auxílio de Maria na vida dos salesianos. Ela não é deusa e nem maior que Deus, mas é Mãe de Deus e é o caminho mais certo e seguro para que alcancemos o Céu.

Nossa Senhora Auxiliadora, rogai por nós!

Ah! Se quiser, dá uma olhada nesse vídeo que gravei sobre a devoção à Nossa Senhora

Robson Landim
Comunidade de Aliança Cristo Libertador

vlog

Anúncios

Como Maria, ostensórios do Cristo

ComoMaria

Que a paz do Cristo Libertador esteja contigo, amigo jovem!

Estamos às portas do Natal do Senhor, acontecimento que mudou nossas vidas e principalmente a vida da Virgem Maria, mulher que, sem saber das consequências, disse SIM sem reservas ao Plano Salvífico de Deus.

Como Maria, mostrar Jesus ao mundo

Pois bem, além de Mãe, Maria foi o primeiro e mais perfeito ostensório do Cristo. Logo que Ele nasceu, ali naquele cenário de pobreza e humildade, Maria estende seu manto na manjedoura, assim como uma toalha é estendida sobre o altar, e ali expõe Seu Filho e Nosso Senhor para ser adorado.

  • Primeiro por ela mesma e por José, perfeitos adoradores. Estes foram além da oração, prostraram suas vidas e vontades para que Cristo aparecesse e reinasse, e além disso, para que Ele tivesse vida (vide o episódio da fuga para o Egito, por exemplo);
  • Depois pelos simples pastores que receberam o anúncio do anjo e que aguardavam ansiosos pela vinda do Messias Libertador. Eles eram de uma das piores “classes” do tempo. Foi para eles que o Cristo nasceu: os mais pobres dos pobres;
  • Depois pelos Magos do Oriente, que saíram de suas realidades e realezas (segundo a tradição eram também “reis” ou estudiosos) para adorarem Aquele que tem a verdadeira Realeza e Santidade;
  • E até mesmo pelos animais, que encontram no Cristo a presença de Seu Criador.

Onde você é chamado a expôr Jesus? Em casa? No trabalho? Na escola/faculdade? Numa missão específica? Somos, pelo batismo, aqueles que anunciam o Cristo Vivo e Ressuscitado! Nossas palavras, atos e gestos precisam comunicar e expôr Jesus ao mundo tão necessitado de sentido.

Imagina você, jovem, que top seria se seus amigos quisessem ser amigos de Jesus pelo simples fato de verem em você a alegria de pertencer a Ele. Imagina se no meio da sua galera todos reconhecessem em você a presença de Deus… seria fantástico, né não?

É no ostensório da sua vida que Jesus quer ser exposto: para que o mundo creia e a glória dEle resplandeça. 

Sejamos como Maria: ostensórios/altares de adoração do Cristo Vivo. Com simplicidade, humildade, pobreza e em nossas misérias, deixando que apenas o Cristo brilhe como Sol da Justiça que nasce para todos.

Deus abençoe! Santo Natal!

Robson Landim
Comunidade de Aliança Cristo Libertador

Do quê tenho sido sinal?

Sinal.jpg

Paz e Fogo, galera!

Ultimamente tenho escrito muito aqui sobre aquilo que tenho vivido como discípulo da Comunidade Cristo Libertador. Isso acontece porque, estando imerso no carisma, todo e qualquer tema acaba sendo permeado por ele que é muuuuuito maior do que aquilo que penso, acho…

Falando nisso, algo que tem me incomodado bastante é a questão de SER SINAL. Todos somos sinais de algo, não tem como escapar.

Como uma placa de “sinalização”, o que eu tenho apontado? O que a minha vida tem comunicado?

Sabe aquela padaria que tem uma placa escrito “pão quentinho a toda hora” e sempre que você chega não encontra o que ali está descrito? Então. Pode ser que nossas vidas também estejam assim: comunicando o que não há, o que não existe ou que eu ainda não tenho!

A frase do carisma da minha comunidade me pede pra “SER SINAL DA VERDADE E DA LIBERDADE DO CRISTO, EM TODAS AS REALIDADES DE ESCRAVIDÃO HUMANA!”.

Fora disso que o carisma me pede, serei qualquer coisa, menos sinal do que preciso realmente ser.

É engraçado como mesmo sem querer nos tornamos referência de algo ou alguém, não é? Por exemplo: você é catequista, automaticamente será exemplo/referência para seus catequisandos. Você é formador, automaticamente será “espelho” para seus formandos e assim vai.

Aí vem alguns passos:

Sou sinal pelo que sei ou pelo que sou? Corremos o risco de nos transformarmos em personagens que sabem apenas coisas decoradas. A sua fala comunica Cristo, mas e sua vida? Digo isso porque muitas vezes já aconteceu comigo de ter que comunicar algo que não estava vivendo, mas que o fiz porque sabia o que falar. É tenso? É! Mas acontece. O problema é quando por conta daquilo que você disse, você se torna referência… Como vai fazer com tua farsa?

Sou sinal que aponta ou que paralisa? Corremos também o risco de nos transformarmos em espelhos que refletem nossa própria imagem e não vidros que deixam que os outros vejam além. Precisamos ser espelhos limpíssimos para que vejam o Senhor através de nós e não para que parem em nós e nos idolatrem porque pregamos, cantamos, rezamos ou orientamos. Não somos fins. Somos NO MÁXIMO, meios.

Sou sinal de qual verdade? De qual liberdade? Do Cristo, ora! A minha verdade aqui não importa, a não ser que essa seja permeada pela verdade do Cristo. A não ser que a minha verdade já testemunhe com intrepidez e de forma fidedigna a verdade do Cristo. E a liberdade? Essa só pode ser a conquistada na e pela Cruz. Fora disso é libertinagem, sacanagem, burrice! E não vale a pena!

As pessoas esperam MUITO de nós! A criação geme como que em dores de parto pela manifestação dos filhos de Deus. O que fazemos? Apontamos o Cristo, esperança que não decepciona. Apontamos o céu, meta possível se for vivida na verdade pregada no púlpito da cruz.

E aí. Do que você tem sido sinal?

Deus te abençoe!

Robson Landim
Discípulo da Comunidade Cristo Libertador