Formação| Maria e o Advento

advento.jpg

Enquanto as cidades vão tomando ares de espera natalina, e no momento em que inauguramos pelas ruas de nossa capital o “circuito dos presépios” para que recordemos o importante fato que celebramos no Natal, uma companhia no Advento sempre se torna presente: Maria! Além dos textos da liturgia própria deste tempo, temos também algumas solenidades marianas marcantes.

Uma delas é a Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Bem no coração do Advento, no dia 08 de dezembro, rendemos louvores a Deus pela pureza da Virgem Maria, aurora da salvação. “Puríssima, na verdade, devia ser a Virgem que nos daria o Salvador, o Cordeiro sem mancha, que tira nossos pecados” (Missal Romano). Preparando-nos para o Santo Natal, devemos reconhecer que Deus, em seu amor e liberalidade, olhou com carinho para Maria, escolhendo-a e preparando-a para ser a mãe de seu Filho, dispensando-lhe graças especiais. O anjo a saudou como “cheia de graça” (Lc 1, 28).

É verdade de fé, proclamada e definida pelo bem-aventurado Pio IX, em 1854, “que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante da sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha do pecado original; essa doutrina foi revelada por Deus, e por isto deve ser crida firme e inviolavelmente por todos os fiéis” (Bula Ineffabilis Deus).

Com efeito, Maria foi também redimida pela graça de Cristo, como todo ser humano. Entretanto, o modo pelo qual Maria foi redimida é todo especial, porque Deus a preservou de contrair a mancha do pecado original desde o primeiro instante de sua concepção. Deus a redimiu em vista dos méritos de Cristo. É o que expressa o Concílio Vaticano II com estas palavras: “Em vista dos méritos de seu Filho foi redimida de um modo mais sublime…” (Lumen gentium, 52).

Nossa Senhora, desde o seu primeiro instante de vida, é toda bela («tota pulchra»), é toda voltada para Deus! Nós, muitas vezes, clamamos com São Paulo: “Não faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero” (Rm 7, 19). Essa dilaceração não tomou conta do coração da Virgem porque, “já bem antes da aurora, o Senhor veio ajudá-la” (Sl 45, 6). A vida de Maria foi totalmente íntegra e o seu coração pôde amar sempre a Deus sem divisões nem distrações. Ela soube corresponder à especial graça que lhe fora concedida, de modo que a existência da humilde mulher de Nazaré foi sempre “sim” para Deus e, em Deus, “sim” para os outros. Ela realizou em sua vida aquilo a que todo homem é chamado – ser para Deus e para o irmão.

A escolha de Deus tem sua razão de ser: Maria foi preservada de todo o pecado a fim de que se apresentasse como “a santa morada do Altíssimo” (Sl 45,5). Mas podemos dizer mais: Deus quis iniciar uma nova história e realizar uma nova criação. Na linguagem de São Paulo, Deus quis “recapitular tudo em Cristo” (Ef 1,10). E, assim como uma mulher foi solidária com o primeiro Adão no início da história do pecado, o plano divino dispôs que, no reinício da história, estivesse presente, ao lado do novo Adão, Cristo, a nova Eva, Maria.

A Imaculada Conceição de Maria integra, desse modo, a “recapitulação” ou o novo início da história em Cristo. Todos nós somos chamados a fazer parte dessa nova história, história de graça e de santidade, de misericórdia, amor e perdão, de justiça e de paz. Maria Santíssima é inspiração e ajuda para nós. Ela é toda de Deus e, por isso, toda dos filhos de Deus.

Nós, enquanto aqui caminhamos, com a graça que Deus nos concede, somos chamados a lutar para vencer o pecado em nós e inserir-nos na nova história inaugurada pelo novo Adão, que teve sempre a seu lado a nova Eva. A graça divina quer nos retirar da velha vida e revestir-nos da nova. Por isso exorta o Apóstolo: “Precisais renovar-vos, pela transformação espiritual de vossa mente, e vestir-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, na verdadeira justiça e santidade” (Ef 4, 23-24).

Que o tempo do Advento seja-nos propício, a fim de reconhecermos as maravilhas que Deus fez em sua serva, maravilhas que deseja fazer também em cada um de nós. Aliás, é bem isso que a Igreja nos recorda sempre: aquilo que se diz de Maria, se diz da Igreja e vice-versa: “ela é o tipo da Igreja na ordem da fé, da caridade e da perfeita união com Cristo” (LG 63).

Esperando com Maria, desejo que a celebração do Natal, na liturgia e na vida, transforme o nosso coração e renove a nossa vida. Ao dizer sim como a mãe de Jesus, poderemos ser membros ativos da nova criação e da nova história desejada por Deus.

Que o Ano Sacerdotal ajude os presbíteros a serem pastores conforme o coração de Jesus, pastores que, sob o único Pastor, conduzam o povo de Deus às pastagens verdejantes do Reino da santidade e da graça, cuja luz resplendeu radiante em Maria Santíssima.

Que todo o nosso povo, vivenciado o tempo do Advento possa, ao modo de Maria, meditar os acontecimentos e as graças de Deus, conservando tudo em seus corações (cf. Lc 2, 41-51).

E que ao vermos o espírito de Natal ocorra em nós as preocupações com os mais pobres, com os sinais em nossas casas e, contemplando os presépios pelas ruas e praças de nossa cidade, os corações se abram para continuamente encontrarmos a cada dia Aquele que veio a nós por Maria, a Imaculada Conceição e Senhora de Guadalupe.

Por Dom Orani João Tempesta
Fonte: CNBB

Anúncios

Deixe o seu comentário. Ele é muito importante para o crescimento e amadurecimento de nossa missão. Deus o abençoe!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s